domingo, 23 de setembro de 2012

VOCÊ MESMO FAÇA! ( 23-09-2012)


Evento realizado em Campina Grande-PB na ocupação Cine São José que promoveu oficinas de stencil, xilogravura e papel marchê, feira de livros libertários e rango vegan.


*****************************************************************************

Evento realizado en Campina Grande-PB en la ocupación del Cine São José que promovieron minicursos de xilogravura y de papel maché, feria de libros libertários y de comidas veganas.

quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Atestado de Caos (1988?) - Certificado de Caos (1988?)


No Nordeste, o final dos anos 80 assistiu ao surgimento de bandas Punks e anarcopunks, como a Discarga Violenta (RN), Devotos do Ódio (PE) e CUSPE (PB), e algumas carecas, como a Anti-Boy (PB), Os Voluntários (CE) e a Bandeira de Combate (BA).


Aqui temos um cartaz / manifesto de João Pessoa-PB chamado ATESTADO DE CAOS editado por um tal de Beto, provavelmente feito em 1987, defendendo a união entre Punks e Skins do ( e no) Nordeste. Provavelmente essa "União de Forças" foi obra da mente do seu editor e não um manifesto assinado por todas as bandas presentes no cartaz. A união entre skins e punks é uma característica do violento movimento OI!

O movimento streetpunk/Oi! surgiu com a tentativa de unir punks e skins primeiramente na Inglaterra, depois em todo o mundo. No Brasil, os seus membros/simpatizantes, skins e punks de rua, apesar de se dizerem apolíticos, são envolvidos com gangues, torcidas organizadas, atos homofóbicos, e os mais "politizados" são adeptos do velho discurso comunista-marxista-chatista.


                       ************************************************************

En el Nordeste de Brazil, los finales de los 80 vio el surgimiento de los anarco-punks y bandas punks como DISCARGA VIOLENTA (RN), los Devotos do Ódio (EP) y C.U.S.P.E. (PB), y algunas bandas "carecas" (skins nacionalistas), como el Anti-Boy (PB), el Voluntarios (CE) y la Bandeira de Combate(BA).

Aquí tenemos un cartel / manifiesto de la ciudad João Pessoa capital del Paraíba, editado por un tipo llamado Bob, probablemente realizado en 1987, defendiendo la unión entre Punks y Skins del Nordeste brasileño. Llamase Atestado de Caos, algo como "certificado del caos". 

Es probablemente una idea solamente de su editor y no un manifiesto firmado por las bandas del cartaz. Esa Union entre punks y skins es una peculiaridad del movimiento OI!

El movimiento Streetpunk /OI! surgió con el intento de unir a punks y skins, primero en Inglaterra, después en otros lugares. En Brazil, sus miembros / partidarios, skins, carecas y punks callejeros, aunque dicen apolíticos, están involucrados en pandillas,gangues de fútbol y con los actos homofóbicos. Los más "politizado" discurso son partidarios del viejo comunista-marxista.

Es raro pq los nordestinos que migrán para sudeste o sur del país eran y son considerados por muchos skins de estas regiones extranjeros que traen la violencia y roban los empleos de las personas de estas ciudades. Los nordestinos son considerados mestizos, feos, pobres y inferiores por muchos fachos-nazis.

SQUATT TOREN (01-10-11)


Desde o dia 14 de Março cerca de 17 pessoas (incluindo uma criança e um idoso) ocupam uma antiga fábrica de cera de carnaúba (abandonada há mais de 15 anos) localizada no Bairro de Fátima, em Fortaleza. Em nota, o coletivo colocou: ?decidimos ocupar este imóvel tanto pela necessidade de moradia quanto para construirmos um espaço cultural libertário onde desenvolveremos diversas atividades de caráter politico/cultural que vão desde a oficinas práticas de malabares, teatro, cordel, zine, artesanato, até debates politicos, mini-cursos, etc?.
O coletivo denomina a ocupação de Squat Toren: Os Squats surgiram em meados da década de 60 enquanto um movimento contra-cultural e se caracteriza pelo uso e ocupação de prédios abandonados geralmente atrelados à questão da especulação imobiliária e a processos de expulsão de moradores tradicionais (gentrificação). O terreno, localizado num bairro nobre da cidade, era conhecido da vizinhança por ser espaço de uso de drogas, esconderijo para roubos e depósito de lixo. Salienta-se ainda que a fábrica passa por um processo de falência desde 1996.
Desde então, depois que iniciaram a ocupação, o coletivo Squat Toren retirou entulhos do local, fizeram dois atos públicos dialogando com a comunidade que os apoiou com a doação de materiais de construção, água e alimentos. Em nota colocaram que na noite do dia 16 de Março a policia civil apareceu armada ao local e agrediu um dos ocupantes. Informam também que a Polícia Militar já compareceu diversas vezes e, no dia 30 de março, receberam uma ameaça de despejo pelo suposto proprietário informando que iria aparecer com policiais num dia de feriado (quinta-feira).
A situação no local segue indefinida e o a Ocupação Squat Toren pede aos movimentos sociais solidários a causa que os ajudem de qualquer forma: desde a presença física (convidando para participar com atividades) até doação de materiais de construção, livros pra biblioteca, etc.




quarta-feira, 12 de setembro de 2012

Encontro de Ateus e Agnósticos (2009)




Encontro de Ateus e Agnósticos -- 1ª parte Rogério H. Zeferino -- Prof. de Sociologia da UFCG Sebastian Sanchez -- PhD em Ciências da Educação José Edilson Amorin -- Professor UFCG Pastor Nehemias Marien -- PhD em Ciências Bíblicas

Campina Grande na Agencia Nacional 1966


    Todo regime ditatorial precisa de um órgão de propaganda que trabalhe positivamente a sua imagem perante uma sociedade dominada, como no Ministério da Verdade do livro 1984. 

     No Brasil, a Agência Nacional estava ligada a produção e circulação de notícias, primeiramente com Vargas e depois com o Regime Militar, que evidentemente não produziriam notícias que sujassem a imagem dos seus representantes.

        No vídeo sobre Campina Grande, temos um exemplo perfeito dessa produção da realidade. O vídeo constrói a imagem de uma cidade promissora, moderna e industrializada, onde o progresso se instalava juntamente com empresas vindas de outros estados. Enquanto isso, as forças repressivas cuidavam  da parte prática deste projeto de modernização: torturas, censura e perseguições.


       A mensagem no início do vídeo é clara:  O nordeste não precisa ser pobre e o exemplo disso é Campina Grande com suas indústrias e a sadia mentalidade empresarial de seu povo sertanejo. 


       Cabe lembrar que o ano era 1966. A ditadura militar já havia promulgado 4 atos institucionais no governo de CASTELO BRANCO, reprimindo a imprensa, perseguindo organizações e pessoas consideradas nocivas a pátria, principalmente após o atentado a bomba em 1966, no Aeroporto dos Guararapes de Recife, que tinha como objetivo eliminar o futuro ditador, o Marechal Costa e Silva.


Marcha das Vadias - Campina Grande 04-08-2012


CLEPTOMANIA - Punk Sergipe 80/90