quarta-feira, 23 de maio de 2012

CASA DAS MARIPOSAS - Um Lugar em Qualquer Lugar. LUCAS ALTAMAR.


Casa Das Mariposas - Um Lugar Em Qualquer Lugar (eBook) 
Autor: Lucas Altamar
Idioma: Português
País: Brasil
Gênero: Novela, conto urbano
Editora: Zine(Independente)
Lançamento: Verão de 2007
Páginas da edição digital: 44

O AUTOR

O autor LucasAltamar tem trabalhos realizados na musica, na poesia e zines e blogs. Foi editor de zines como Vinho Vulgar, DeMentes, Penumbra e SurReal e é atualmente editor do Graforréia, onde possui um acervo de quase mil poesias autorais. Seus poemas abordam os mais diversos temas como a loucura, a vida, a realidade, a liberdade etc. possuindo todos eles poderosas mensagens contestadoras de valores e idéias cristalizadas. Esses temas estão praticados das mais diversas formas poéticas: haikais, sonetos, poetrix e versos livres.
O autor ainda possui outros trabalhos publicados de forma totalmente independente, longe dos conchaves e das panelinhas dos meios intelectuais ou meios “alternativos”:Incógnito: pós-identidade queer e Phil no país dos prazeres. Os temas sobre sexualidade e gênero são um dos mais trabalhados pelo autor e ainda pouco abordado nos meios (e entre) libertários/punks que estão muitas vezes presos a temas clássicos e tradicionais do anarquismo.

A OBRA

Casa das Mariposas – “Um lugar em qualquer lugar.” é um livro escrito, editado e publicado de forma independente por Lucas Altamar no ano de 2007. Os seis episódios são interligados através da vivência dos personagens na casa. Os personagens são todos de alguma forma relacionados ao universo punk e libertário.Trata-se de seis contos sobre a vida em comuna no squatt/ocupação Casa das Mariposas, um antigo prostíbulo que ficou abandonado após a morte de Carla Bruna, antiga proprietária do local e amiga dos futuros Okupantes. Após a ocupação do imóvel, os ocupas revitalizam o local, antes refúgio de ladrões e usuários, e o transformam em um centro de atividades culturais e debates, apesar das investidas policiais e dos skinheads. Mas a vida na casa não é só de harmonia e paz.
O livro também mostra a difícil arte da vida em comunhão: as personalidades fortes, as máscaras, as ilusões e “pilantragens” comuns a todas as formas de vida em sociedade.Casa das Mariposas é um livro que não pretende mostrar uma visão idealizada, ingênua e romântica da vida de uma comunidade libertária, cheias de omissões e cenas bonitas. É um livro realista que não pretende maquiar fatos e detalhes que acontecem de forma menos frequente, porem não exclusiva, da sociedade vigente. Como o próprio autor diz no prefácio da obra: “somos primeiramente coerentes com nosso prazer. E é isso que atravessa a barreira do respeito e espaço alheio. Mesmo dentro de grupos e convivências libertárias. Não se pode confiar em ninguém!”.
A obra começa com o episódio I chamado vulnerabilidade”. A cena inicial é a de um espancamento de uma libertária por um grupo de Carecas. O episódio também mostra o relacionamento entre Vick, Diego e Júlia, libertários punks e queers, moradores da Casa. Esse relacionamento voluntário e livre entre os três diferencia-se do relacionamento padrão do esquema monogâmico, em que ambas as partes são posse um do outro. O relacionamento amoroso entre os três é baseado no amor-livre, onde não há a posse nem hierarquia entre os que se relacionam. Devido a alegria e confiança com que se relacionam acabam obtendo a simpatia de muitas pessoas como a senhora Carla Bruna e o Seu Silva, dono do bar muito frequentado por boêmios, punks e anarquistas. Os três também participam na ocupação e revitalização do antigo imóvel. Tudo relativamente em paz até que uma tragédia abala a vida na Casa das Mariposas e do triangulo amoroso. É a partir do segundo episódio intituladoIntimidade que a aparente harmonia entre os ocupantes da Casa começa a ser abalada por fatos absurdos e contrários aos princípios libertários vigentes na casa. O que gera revolta e desconfiança entre os ocupantes. O terceiro episódio “Casualidade” aborda o envolvimento de Kayke, um dos moradores, com o Crack e a gradual sedução e escravização dele por parte das pedras.
O quarto episódio intitulado Afetividade mostra o conturbado relacionamento entre Alison e Magno, que apesar de ser um relacionamento entre duas pessoas do mesmo sexo e libertárias não esta livre dos tradicionais sentimentos de ciúme e de posse por parte de um dos envolvidos. Em Atividadeapós algum tempo de ostracismo e problemas, há uma nova onda de atividades na casa, como a realização de eventos e debates em comemoração aos quatro anos de ocupação e resistência da Casa, e a chegada de novos moradores, a estrangeira Frida. Mas novamente a vida na casa é abalada após uma batida policial em que um deles é preso acusado de assassinato de uma garota. O ultimo, e o mais longo, episódio chamado Responsabilidade reserva surpresas e tramas surpreendentes sobre os destinos de Victor e Diego.
resenha por Juni

Nenhum comentário:

Postar um comentário

CLEPTOMANIA - Punk Sergipe 80/90