quinta-feira, 21 de março de 2019

Skatistas Suburbanos (2011)





Transubstancial (2003) - Torquato Joel

Uma visão existencialista da obra do poeta Augusto dos Anjos a partir de fragmentos de seus poemas. Ficha Técnica: Ano: 2003 Cidade: João Pessoa - PB País: Brasil Gênero: Ficção Prêmios: Melhor curta da crítica (Festival de Brasília) Melhor curta, direção, Prêmio BNB Melhor fotografia no Cine PE Melhor fotografia no Festival de Belém (PA) Melhor curta no CURTA-SE Melhor trilha sonora musical no Vitória Cine Vídeo Direção e Roteiro: Torquato Joel Produção Executiva: Moema Müller Fotografia e Câmara: Mauro Pinheiro JR, ABC Direção de Arte: José Rufino Montagem/Edição: Flávio Zettel Trilha Musical e Direção Musical: Eli-Eri Moura (COMPOMUS-UFPB) O Poeta - Walmar Pessoa O Pai - Fernando Teixeira Voz do Poeta - Luís Carlos Vasconcelos Voz do Destino - Carlos Gregório Som Direto: Sílvio Da-Rin Edição de Som: Edwaldo Mayrink, Guillermo Tinoco Mizagem: Ulysses Lopes, Zé Ronaldo Leal Consultoria de Mizagem: Roberto Leite Consultoria de Roteiro: Ângela Bezerra de Castro, Chico Viana Direção de Produção: Heleno Bernardo Figurino e Produção de Arte: Romero Souza Produção de Elenco: Nanêgo Lira Primeiro Assistente de Câmara: Lula Carvalho Segundo Assistente de Câmara: João Carlos Beltrão Eletricista: João Sagatio Maquinista: Roberto Machado Produção de Set: Carlos Casteli Maquiagem: Williams Muniz Trucagem: Ronald Palatnik Produção de Finalização: Karen Barros Efeitos Sonoros: Didier Guigue (COMPOMUS-UFPB) Ruídos de Sala: Jorge Pimenta Montagem de Negativo: Ângela Bífaro Primeira Assistente de Direção: Ana Isaura Nogueira Segundu Assistente de Direção: Ferdinando Dantas Assistente de Arte: Maria Botelho Microfonista e Assistente de Som: Joerbson Santana Gravação das Locuções: Alexandre Jardim ELENCO Agricultor - José Guabiraba Carvalho Índio - Antônio Aureliano Negro - Gerson Severino da Silva Sombras do Poeta - Márcio Rodrigues, Joacy Alves Declamantes (por ordem de apresentação): Linaldo Guedes, Jocerlan e Silva, Celsa Monteiro Jacinto Moreno, Aparecida Melo, Williams Muniz Participação Especial: Zezita Matoos, Neide Melo Elenco de Apoio: Alêssa Nasiasene, Ana Luisa Camino, Augusto Magalhães, Cida Costa, Clezite Alves de Souza, Eulina Barbosa, Horieby, João Dantas, Maria Botelho, Maria Clara, Marcus Vinícius, Thiago Henrique, Vima Casé


Voz do Juiz: Iveraldo Lucena Vozes de Rezas: Maria Oneide Monteiro, Marlene Barbosa, Regina Ribeiro, Romildo Duarte Menezes, Vilma Soares Video Assist: André Morais Boy de Set: Gilvan Dantas Equipe de Apoio de Arte: Adriano Fidelis, Marconi Nicácio, Joab Ribeiro, "Dedé" Alves Alimentação - Espaço das Refeições Câmara - JKL Cine Luz e Maquinária - Quanta Trucas e Créditos - Movedoll Cinematográfica Estúdio de Mixagem - VTI Laboratório - LABOCINE Música Incidental: "Ô Serená Serená", na voz de Odete de Pilar (gravada pelo LEO/UFPB) Trilha Sonora Original Gravada por membros do Quinteto Paraíba: Yerko Tabila (primeiro violino), Ronedilk Cavalcanti (segundo violino), Samuel Spinoza (viola), Nelson Campos (violoncelo) Instrumentos MIDI: Eli-Eri Moura Gravação, Mixagem e Edição da Trilha Sonora Musical: SG Studio Digital (João Pessoa - PB) Técnico de Gravação: Igor Ayres Mixagem e Edição da Trilha Sonora: Sérgio Gallo

A Árvore da Serra - AUGUSTO DOS ANJOS (1884-1914)


— As árvores, meu filho, não têm alma! E esta árvore me serve de empecilho... É preciso cortá-la, pois, meu filho, Para que eu tenha uma velhice calma! — Meu pai, por que sua ira não se acalma?! Não vê que em tudo existe o mesmo brilho?! Deus pos almas nos cedros... no junquilho... Esta árvore, meu pai, possui minh'alma! ... — Disse — e ajoelhou-se, numa rogativa: 'Não mate a árvore, pai, para que eu viva!' E quando a árvore, olhando a pátria serra, Caiu aos golpes do machado bronco, O moço triste se abraçou com o tronco E nunca mais se levantou da terra!"


Vandalismo - AUGUSTO DOS ANJOS (1884-1914)


Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Canta a aleluia virginal das crenças.
E as ametistas e os florões e as pratas.
Vertem lustrais irradiações intensas Cintilações de lâmpadas suspensas
E nesses templos claros e risonhos...
Como os velhos Templários medievais Entrei um dia nessas catedrais
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!"
E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas


Uma análise do poema: O poema é em si uma metáfora, onde o coração é o "querer" do poeta, como o amor espiritual, virtuoso e puro expresso na primeira estrofe. A segunda estrofe reitera e detalha estas virtudes onde o "querer" é minuciosamente enunciado com a descrição de um templo grandioso, local de louvor e adoração. O primeiro terceto representa a paixão como um templário, uma autoridade dominadora que arrebata e toma a virtude. Os gládios e hastas simbolizam os ímpetos do desejo sobre o amor espiritual idealizado e na "chave de ouro", prevalece o desejo que submete a paixão. Vandalismo trata das rupturas internas, dos valores que uma vez idealizados; confrontam no íntimo e o arrebatamento, a paixão, nos leva a uma ruptura para sustentar uma nova ordem. O conflito entre o amor idealizado e o arrebatamento é a figura do templário e seu poder confessional. É uma representação profunda para o período que viveu o poeta, num ambiente de amenidades e manifestações idealizadas.



Versos a um Coveiro - AUGUSTO DOS ANJOS



Augusto de Carvalho Rodrigues dos Anjos (Cruz do Espírito Santo, 20 de abril de 1884 — Leopoldina, 12 de novembro de 1914) foi um
poeta brasileiro, identificado muitas vezes como simbolista ou parnasiano. Todavia, muitos críticos, como o poeta Ferreira Gullar, preferem identificá-lo como pré-modernista, pois encontramos características nitidamente expressionistas em seus poemas.
É conhecido como um dos poetas mais críticos do seu tempo, e até hoje sua obra é admirada tanto por leigos como por críticos literários. Sua poesia chocou a muitos, principalmente aos poetas

parnasianos, mas hoje é um dos poetas brasileiros que mais foram reeditados. Sua popularidade se deveu principalmente ao sucesso entre as camadas populares brasileiras e à divulgação feita pelos modernistas. Hoje diversas editoras brasileiras publicam edições de Eu e Outras Poesias.
__________________________________________________________________________________


Numerar sepulturas e carneiros, Reduzir carnes podres a algarismos, Tal é, sem complicados silogismos, A aritmética hedionda dos coveiros! Um, dois, três, quatro, cinco... esoterismos Da Morte! E eu vejo, em fúlgidos letreiros, Na progressão dos números inteiros A gênese de todos os abismos! Oh! Pitágoras da última aritmética, Continua a contar na paz ascética Dos tábidos carneiros sepulcrais Tíbias, cérebros, crânios, rádios e úmeros, Porque, infinita como os próprios números A tua conta não acaba mais!"

Poema Negro - AUGUSTO DOS ANJOS ( narração Othon Bastos )


Para iludir minha desgraça, estudo. Intimamente sei que não me iludo. Para onde vou (o mundo inteiro o nota) Nos meus olhares fúnebres, carrego A indiferença estúpida de um cego E o ar indolente de um chinês idiota! A passagem dos séculos me assombra. Para onde irá correndo minha sombra Nesse cavalo de eletricidade?! Caminho, e a mim pergunto, na vertigem: — Quem sou? Para onde vou? Qual minha origem? E parece-me um sonho a realidade. Em vão com o grito do meu peito impreco! Dos brados meus ouvindo apenas o eco, Eu torço os braços numa angústia doida E muita vez, à meia-noite, rio Sinistramente, vendo o verme frio Que há de comer a minha carne toda! É a morte — esta carnívora assanhada — Serpente má de língua envenenada Que tudo que acha no caminho, come... — Faminta e atra mulher que, a 1 de janeiro, Sai para assassinar o mundo inteiro, E o mundo inteiro não lhe mata a fome! Nesta sombria análise das cousas, Corro. Arranco os cadáveres das lousas E as suas partes podres examino... Mas de repente, ouvindo um grande estrondo, Na podridão daquele embrulho hediondo Reconheço assombrado o meu destino! Surpreendo-me, sozinho, numa cova. Então meu desvario se renova... Como que, abrindo todos os jazigos, A morte, em trajos pretos e amarelos, Levanta contra mim grandes cutelos E as baionetas dos dragões antigos! E quando vi que aquilo vinha vindo Eu fui caindo como um sol caindo De declínio em declínio; e de declínio Em declínio, com a gula de uma fera, Quis ver o que era, e quando vi o que era, Vi que era pó, vi que era esterquilínio! Chegou a tua vez, oh! Natureza! Eu desafio agora essa grandeza, Perante a qual meus olhos se extasiam... Eu desafio, desta cova escura, No histerismo danado da tortura Todos os monstros que os teus peitos criam. Tu não és minha mãe, velha nefasta! Com o teu chicote frio de madrasta Tu me açoitaste vinte e duas vezes... Por tua causa apodreci nas cruzes, Em que pregas os filhos que produzes Durante os desgraçados nove meses! Semeadora terrível de defuntos, Contra a agressão dos teus contrastes juntos A besta, que em mim dorme, acorda em berros Acorda, e após gritar a última injúria, Chocalha os dentes com medonha fúria Como se fosse o atrito de dois ferros! Pois bem! Chegou minha hora de vingança. Tu mataste o meu tempo de criança E de segunda-feira até domingo, Amarrado no horror de tua rede, Deste-me fogo quando eu tinha sede... Deixa-te estar, canalha, que eu me vingo! Súbito outra visão negra me espanta! Estou em Roma. É Sexta-feira Santa. A treva invade o obscuro orbe terrestre. No Vaticano, em grupos prosternados, Com as longas fardas rubras, os soldados Guardam o corpo do divino mestre. Como as estalactites da caverna, Cai no silêncio da cidade eterna A água da chuva em largos fios grossos... De Jesus Cristo resta unicamente Um esqueleto; e a gente, vendo-o, a gente Sente vontade de abraçar-lhe os ossos! Não há ninguém na estrada da Ripetta. Dentro da Igreja de São Pedro, quieta, As luzes funerais arquejam fracas... O vento entoa cânticos de morte. Roma estremece! Além, num rumor forte, Recomeça o barulho das matracas. A desagregação da minha ideia Aumenta. Como as chagas da morféa O medo, o desalento e o desconforto Paralisam-se os círculos motores. Na eternidade, os ventos gemedores Estão dizendo que Jesus é morto! Não! Jesus não morreu! Vive na serra Da Borborema, no ar de minha terra, Na molécula e no átomo... resume A espiritualidade da matéria E ele é que embala o corpo da miséria E faz da cloaca uma urna de perfume. Na agonia de tantos pesadelos Uma dor bruta puxa-me os cabelos, Desperto. É tão vazia a minha vida! No pensamento desconexo e falho Trago as cartas confusas de um baralho E um pedaço de cera derretida! Dorme a casa. O céu dorme. A árvore dorme. Eu, somente eu, com a minha dor enorme Os olhos ensangüento na vigília! E observo, enquanto o horror me corta a fala, O aspecto sepulcral da austera sala E a impassibilidade da mobília. Meu coração, como um cristal, se quebre O termômetro negue minha febre, Torne-se gelo o sangue que me abrasa, E eu me converta na cegonha triste Que das ruínas duma casa assiste Ao desmoronamento de outra casa! Ao terminar este sentido poema Onde vazei a minha dor suprema Tenho os olhos em lágrimas imersos... Rola-me na cabeça o cérebro oco. Por ventura, meu Deus, estarei louco?! Daqui por diante não farei mais versos."



CLEPTOMANIA - Punk Sergipe 80/90