quinta-feira, 21 de março de 2019

Vandalismo - AUGUSTO DOS ANJOS (1884-1914)


Meu coração tem catedrais imensas,
Templos de priscas e longínquas datas,
Onde um nume de amor, em serenatas,
Na ogiva fúlgida e nas colunatas
Canta a aleluia virginal das crenças.
E as ametistas e os florões e as pratas.
Vertem lustrais irradiações intensas Cintilações de lâmpadas suspensas
E nesses templos claros e risonhos...
Como os velhos Templários medievais Entrei um dia nessas catedrais
Quebrei a imagem dos meus próprios sonhos!"
E erguendo os gládios e brandindo as hastas,
No desespero dos iconoclastas


Uma análise do poema: O poema é em si uma metáfora, onde o coração é o "querer" do poeta, como o amor espiritual, virtuoso e puro expresso na primeira estrofe. A segunda estrofe reitera e detalha estas virtudes onde o "querer" é minuciosamente enunciado com a descrição de um templo grandioso, local de louvor e adoração. O primeiro terceto representa a paixão como um templário, uma autoridade dominadora que arrebata e toma a virtude. Os gládios e hastas simbolizam os ímpetos do desejo sobre o amor espiritual idealizado e na "chave de ouro", prevalece o desejo que submete a paixão. Vandalismo trata das rupturas internas, dos valores que uma vez idealizados; confrontam no íntimo e o arrebatamento, a paixão, nos leva a uma ruptura para sustentar uma nova ordem. O conflito entre o amor idealizado e o arrebatamento é a figura do templário e seu poder confessional. É uma representação profunda para o período que viveu o poeta, num ambiente de amenidades e manifestações idealizadas.



Nenhum comentário:

Postar um comentário

CLEPTOMANIA - Punk Sergipe 80/90